Staphylococcus aureus, quais os riscos desta bactéria?

O Staphylococus aureus ou Estafilococos aureus em português, é uma das bactérias mais comuns na prática clínica uma vez que costuma colonizar a pele de até 15% dos seres humanos. Chamamos de colonização quando uma bactéria se adere a uma tecido e começa a multiplicar-se, criando literalmente colônias. A colonização não significa que haja infecção e não é necessariamente uma coisa ruim. Nossa pele, nossa boca e nosso intestinos, por exemplo, estão cheios de bactérias que não nos causam doença enquanto permanecem restritas a estes sítios.

Existem 33 tipos de estafilococos, alguns mais virulentos que outros. O tipo mais comum na nossa pele é o Staphylococcus epidermiditis, uma espécie de estafilococo bem mais branda que o Staphylococus aureus, o mais virulento da espécie.

O problema da colonização é o fato desta ser um reservatório de bactérias pronto para invadir outros pontos do nosso corpo toda vez que uma das nossa barreiras de defesa sofre enfraquecimento. Os estafilococos que vivem na pele estão apenas esperando o aparecimento de uma pequena lesão para poderem penetrar dentro do nosso organismo. Este é o motivo pelo qual devemos sempre lavar bem nossas feridas. Qualquer lesão na pele é uma porta de entrada para as bactérias que vivem no meio externo (leia: TRATAMENTO DE FERIDAS E MACHUCADOS). É também pelo fato da nossa pele ser colonizada por bactérias que a implantação de piercings ou qualquer outro procedimento que perfure a pele pode levar a infecções graves (leia: BODY PIERCING | PERIGOS E COMPLICAÇÕES).

Ter bactérias na pele não significa que a pessoa esteja doente ou seja suja. Nós temos uma flora natural de germes e é impossível não ter bactérias na pele. Porém, pessoas com maus hábitos higiênicos apresentam uma quantidade e uma variedade maior de bactérias colonizando sua pele, ou boca, como nos casos de pessoas com dentes em mau estado de conservação.

Além das pele, o Staphylococus aureus pode invadir nosso organismo através da ingestão de alimentos contaminados. Além de atacar diretamente nosso corpo, o S.aureus também produza uma série de toxinas, que quando ingerida, provocam uma intensa infecção intestinal com vômitos e diarréia (leia: DIARRÉIA | Causas, sinais de gravidade e tratamento)
O Staphylococus aureus é responsável por vários tipos de infecção em nosso organismo. As infecções de pele são as mais comuns, e qualquer porta de entrada, mesmo uma mordida de inseto, pode ser suficiente para o desenvolvimento destas. As infecções de pele mais comumente causadas pelo S.aureus são o impetigo, a foliculite, o furúnculo, síndrome de pele escaldada estafilocócica e a celulite (leia: ERISIPELA E CELULITE – Sintomas e tratamento).

O Staphylococus aureus, após a entrada no organismo, pode não ficar restrito a pele, invadindo o sangue e levando a infecções graves, sepse e choque séptico (leia: O QUE É SEPSE / SEPSIS E CHOQUE SÉPTICO ? ).

Uma vez no sangue, o S.aureus pode atingir qualquer órgão. A infecção das válvulas do coração, chamada de endocardite é uma temida complicação das infeções pelo Staphylococus aureus (leia: ENDOCARDITE| Sintomas e tratamento). Outras infecções possíveis pelo S.aureus são a pneumonia (leia: PNEUMONIA | Sintomas e tratamento), a pielonefrite (leia: PIELONEFRITE | INFECÇÃO DOS RINS | Sintomas e tratamento) e a osteomielite (infecção dos ossos).

As infecções por Estafilococos aureus são tratadas classicamente com derivados da penicilina, como a Oxacilina, Cefazolina e Cefalotina. Infecções restritas a pele podem ser tratadas com antibióticos por via oral. Infecções mais graves devem ser tratadas com internação hospitalar e antibióticos venosos.

Estafilococos aureus MRSA

Ultimamente, um subtipo de Staphylococus aureus chamado de MRSA tem ganhado muito destaque na mídia, geralmente com textos alarmistas e cheio de erros de conteúdo.

A sigla MRSA que dizer Methicillin-resistant Staphylococcus aureus, em português, Staphylococcus Aureus Resistente à Meticilina.

A meticilina é um antibiótico da família das penicilinas. O MRSA é portanto, um Staphylococus resistente ao tratamento convencional através das penicilinas. A primeira descrição de MRSA é de 1959, logo após a invenção da meticilina. Com o uso cada vez mais difundido, e muitas vezes desnecessário, de antibióticos, as infecções por MSRA têm sido cada vez mais frequentes em todo mundo.

O Staphyloccus aureus MRSA não é mais agressivo do que o Staphylococus não MRSA. O seu problema está nas opções reduzidas de antibiótico e não na virulência da bactéria.

A transmissão é feita pelo contato entre pessoas, principalmente através das mãos. Isto é um grande problema no meio hospitalar onde os profissionais de saúde têm contato com vários doentes no mesmo dia, podendo levar o MRSA de um para outro. O simples ato de lavar as mãos após examinar os pacientes diminui muito o risco de transmissão da bactéria.

Em geral, o doente hospitalizado com MRSA é colocado em isolamento de contato (uma espécie de quarentena) para evitar propagação da bactéria. Pessoas saudáveis não desenvolvem nenhuma doença se tiverem contato com pacientes infectados ou colonizados por MRSA, como por exemplo, os familiares que visitam o hospital. Mas para o doente da cama ao lado, essa contaminação pode ser fatal.

O MRSA é uma bactéria tipicamente de hospital, mas pode ocorrer na comunidade também. Neste caso costuma responder a um espectro mais amplo de antibióticos alternativos, sendo de mais fácil tratamento. A transmissão do S.aureus MRSA pode ocorrer em academias, após uso conjunto de toalhas, roupas, uniformes e inclusive escova/pente de cabelo.

O tratamento do MRSA hospitalar é feito com antibióticos potentes como Vancomicina, Linezulida e Teicoplamida. O problema é que alguns hospitais já apresentam casos de MRSA resistente também a Vancomicina.

Não há necessidade de se tratar ou investigar familiares de doentes com MRSA. Bastam os cuidados básicos de higiene, principalmente se houver alguma lesão na pele que sirva de porta de entrada para a bactéria.

Como eu já escrevi, o risco de doença por MRSA em pessoas saudáveis é muito baixo. Muitos entram em contato com o MRSA mas não ficam colonizadas porque a bactéria não consegue se fixar devido a competição por alimento com as milhões e milhões de outras bactérias já existentes na pele.

Leia mais: http://www.mdsaude.com


  1. everaldino gomes 14 de janeiro de 2014

    fui internado com staphylococcus aureus teve muitas dores e essas informacoes me foi muito interessante um abraco a todos

    • Dr. Emerson 14 de janeiro de 2014

      Olá Everaldino, obrigado pelo seu carinho. Fico feliz que tenha gostado do nosso artigo.

  2. cristina aragão 24 de janeiro de 2014

    tenho tendinite busite tirei tres tumores do intestino eles carcinoide,hiperplasico adenoma, e fiz cirurgia de uma fistula por ultimo apareceu uma inflamação nos ossos. que peofissional devo procurar?

    • Dr. Emerson 30 de janeiro de 2014

      Olá Cristina o ideal é procurar o ortopedista, que atende todas as quintas na nossa clínica, entre em contato com o número 2661-0252.

  3. Moisés Marques 29 de janeiro de 2014

    muito bom…

    • Dr. Emerson 30 de janeiro de 2014

      Olá Moisés, muito obrigado por sua participação.

  4. JOHNATAN FABRI 23 de março de 2014

    Olá tive um acidente e perdi a patela do joelho, fiz uma cirurgia precisei colocar uma placa, me apareceu no joelho algumas feridas, nao sinto dor nelas, e vazam pus, no exame detectou S.aureus os medicos disserem ter que retirar a placa e medicarem um antibiotico hospitalar, pois se nao retirarem a placa ela nao vai ser sanada, me passaram bactrim até a proxima cirurgia provavelmente sera marcada pro proximo mes.. Estava pesquisando sobre a bacteria e me interessou e me informou muito bem esse site. obg

    • Dr. Emerson 26 de março de 2014

      Olá Johnatan, obrigado por sua participação. Para mais assuntos relacionados a sua saúde, visite nossa página.http://zip.net/bmmT6w

    • Dr. Emerson 28 de abril de 2014

      Olá Johnatan, muito obrigado! Fico feliz que a nossa publicação tenha tirado suas dúvidas.

  5. emerson 28 de abril de 2014

    Cara tive relacao e nao usei prezevativo e acabei pegado essa bacteria S. Aureus fiz os exames e acusou isso ae to com muito medo . pos to doente febre direto e dores de cabeca …alguem mim responde ae ??

    • Dr. Emerson 28 de abril de 2014

      Olá Emerson, entendemos a sua condição e agradecemos pela confiança, porém o código de ética médica proíbe consultas pela Internet. Possuímos um serviço de atendimento ambulatorial em Belford Roxo telefone 2661-0252 que pode auxiliar em uma consulta presencial.

  6. Ana Paula Serpa 15 de maio de 2014

    Oi! Tive essa bactéria qnd fui trocar minhas prótese de cilicone, mas foi passando tempo e não cicatrizava nunca até q medica solicitou o exame q costou essa bactéria. Ficou uma cicatriz horrível e agora tenho q refazer a cicatriz e estou receosa .

    • Dr. Emerson 16 de maio de 2014

      Olá Ana Paula, obrigado por participar da nossa publicação, vai dar tudo certo!

Comments

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

NEWSLETTER
Cadastre seu e-mail e receba as novidades.

REDES SOCIAIS

Copyright © 2012 Dr.Emerson – Direitos reservados.
Desenvolvido por: AGWS